Home

Este ano eu quis começar diferente. Antes mesmo do Reveillon, estava fazendo um balanço do que havia ficado para trás e o que eu queria construir dali em diante. Cansei das promessas, resoluções, expectativas e ideias, afinal, todo ano elas eram praticamente as mesmas. O que eu queria mesmo era realizar, gerar uma mudança efetiva, transformar tudo em ação. Seria possível?

Comecei a procurar recursos. Como administradora, não me conformava em não encontrar as ferramentas certas para tirar os planos pessoais e profissionais do papel e acompanhá-los. Será que elas existiriam de fato? Revi materiais utilizados no passado, li sobre algumas técnicas, assisti à alguns vídeos, pesquisei bastante, inscrevi-me no programa Viva 2016 e pronto! Estava munida de tudo o que precisava!

Animada a colocar a mão na massa, separei alguns dias para dar foco no assunto e voilá! Duas semanas depois, todo o meu planejamento estava pronto na minha frente. Foi quando me dei conta do quão assustador ele era, quantas ações eram necessárias, quanto tempo e recursos precisaria dedicar e, principalmente, quantas mudanças! Pareciam tão pequenas antes, como podiam parecerem tão gigantes agora?! Como eu enfrentaria tudo aquilo por minha própria conta e risco?

216df4705082961102a85308f44e59a3

Foi aí que percebi que estava prestes a cometer os mesmos erros de todos os anos anteriores, porque o processo mais doloroso de mudar de ano é a gente mudar dentro da gente. Mudar dói, é custoso, envolve medos, algumas perdas, esforços e uma dose danada de vontade para fazer acontecer. Se lá dentro, bem no fundo, não há algo que grite, implore, necessite da mudança, então todo o planejamento não valerá nada. Sim, sei que é difícil ouvir isso, mas as ideias, promessas, resoluções e desejos passam a não ter mais valor. E se elas não têm mais valor, como irão se realizar?

Passada a reflexão mini-colapso, pude avaliar se realmente tudo aquilo que coloquei no papel tinha um real valor para mim. Quais as necessidades profundas que cada um dos itens atendia? Quais resultados e benefícios poderia obter com a realização de cada um deles? Todo o esforço por trás desses objetivos seria relevante para mim?

A partir daí foi possível perceber no que precisava focar primeiro, além de eliminar algumas coisas que sempre achei legais, mas que no fundo, no fundo, não tinham nada a ver comigo.

Que tal você refletir sobre as suas resoluções hoje? Existe algo que você planejou para esse ano que é verdadeiramente importante para você? Qual é o real valor que essa resolução tem em sua vida? E se ela se concretizar no futuro, que valor terá? 

O tempo não para e nunca haverá uma hora ou momento perfeito para as coisas acontecerem. Nós precisamos criá-los no momento presente. Dê ouvidos às suas necessidades e torne-as as suas prioridades hoje, agora. Crie ações para que elas se concretizem e acompanhe-as. Afinal, a vida é feita das oportunidades que nós geramos.

E aí, preparado para correr atrás dos seus objetivos?

Com carinho,

Livia.

Anúncios

3 pensamentos em “Como vão as suas promessas de ano novo?

  1. Pingback: Todo Carnaval tem seu fim. E agora? | 20 E POUCOS 20 E TANTOS

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s